no ar desde 1998

 

Cães que comem cocô e lixo

 


Quando um cão começa a comer fezes, ou o lixo da casa, raramente o dono deste cão consegue lidar com isso de forma razoável. Ele vê tais comportamentos com um olhar absolutamente corrompido por preconceitos e nojos, esquecendo-se que estamos falando de um cão e não de um ser humano. Tal raciocínio raramente leva em consideração que existem aspectos fisiológicos e comportamentais que podem levam o cão a tal comportamento.

Bem, a primeira coisa que precisamos considerar é que cães são animais que comem carniça. Não sendo grandes caçadores eles, em sua vida selvagem, comumente vivem dos restos da caças de outros animais. Portanto, os canídeos têm um organismo apto a comer e digerir alimentos em decomposição, ou mais popularmente “podres”. Nesta linha, o cocô humano, canino, e mesmo o lixo doméstico estão dentro deste cardápio. É preciso, porém, saber diferenciar cada situação, e tomar as atitudes necessárias para resolver o problema ao invés de simplesmente olhar feio e reclamar.

Para um animal que come carniça, o lixo doméstico é uma fonte de grande variedade de alimentos. Um verdadeiro buffet! E se considerarmos a quantidade de condimentos e temperos que costumamos usar em nossa comida, não é difícil entender porque o lixo atrai tanto a atenção do cão. Ele não come o lixo por estar com fome! Ele ataca o lixo porque é isso que o seu instinto de sobrevivência manda fazer. A melhor solução nestes casos é comprar um lixo cuja tampa possa ser rosqueada, e portando seu cão não conseguirá abri-la.

O caso de cães que comem cocô humano, em calçadas e praças, vai quase na mesma linha. Apesar de muito decompostos, os alimentos presentes nas fezes humanas ainda são muito nutritivos e atraentes para um cão. Aqui não há muito jeito! Se você sabe de um lugar que as pessoas costumam usar como banheiro, e seu cão gosta de cocô humano você terá que mudar o local de passeio com seu cão, ou não soltá-lo da guia.

Já o caso do cão que come fezes caninas é um caso um pouco diferente. O nome científico é coprofagia. Tal sintoma pode ser determinado por vários aspectos tanto comportamentais como fisiológicos. Alguns deles já foram comentados na matéria sobre Coprofagia escrita pela adestradora Claudia Pizzolato. Porém, outros fatores também bastante importantes devem ser avaliados.

Vermes e Giárdia

Se o cão estiver com vermes ou com giárdia ele pode ter mais dificuldade em absorver os nutrientes do ração que você dá a ele, fazendo com que ele precise comer o próprio cocô para complementar sua alimentação. Mesmo que seu cão já tenha sido vermifugado, é possível que ele tenha vermes, já que o vermífugo elimina os vermes que estão no organismo no momento em que o remédio é ministrado. Ele não é preventivo! E é exatamente por tal razão é que temos que dar vermífugos regularmente para os cães. O grande problema é que os vermífugos não combatem protozoários, portanto se o seu cão estiver com giárdia, o vermífugo não resolverá o problema. O mais indicado neste caso é fazer um exame de fezes no cão para saber exatamente se existe algum verme ou protozoário, e então ministrar o remédio específico para o caso.

Fatores comportamentais

É muito comum que ao tentar ensinar o filhote a fazer cocô no lugar certo, o dono erre na mão e acabe por passar ao filhote que o fato dele “fazer cocô” é ruim e desagrada ao seu dono, invés de “fazer cocô no local errado” ser ruim. Isto acontece normalmente quando o dono, ao ver o filhote fazendo cocô no lugar errado, briga com o ele, sem conseguir mostrar que se ele fizesse o cocô no lugar certo ele seria elogiado. Isso pode acontecer tanto por falta de rapidez – ou atenção – deste dono, ou quando o cão é pequeno e faz o cocô muito rapidamente. Então não há tempo para se colocar o filhote no local certo.

Há também a situação em que o dono se depara com o cocô já feito e briga com o filhote. Neste caso, não é incomum que o filhote resolva “sumir com as provas do crime” para não ouvir bronca. Ou seja: só brigar não adianta, e pode até piorar tudo! Ou você age da forma correta, pegando o cão enquanto ele estiver fazendo o cocô e coloca-o no lugar certo, ou deixa pra lá! Limpe o cocô sem broncas ou resmungos. Ah! E não se esqueça de elogiar muito seu filhote quando ele fizer o cocô no lugar certo Também não é demais lembrar que o filhote, não tendo noção de tempo, muitas vezes nem sabe que aquele cocô no tapete é obra dele, mas certamente ele sabe que quando seu dono vê aquele montinho, a bronca sobra para ele.

A nossa parte nesta estória:

 Muitas vezes, ao tentarmos resolver o problema da coprofagia acabamos por incentivá-la - sem perceber. Algumas raças - tais como o lhasa apso e o shih tzu - têm tendência a comerem o próprio cocô. E não é incomum que o dono, ao se deparar com o cocô comido, brigue com o cão - até como uma forma de desabafar seu desaponto com o cãozinho.  O problema é que este tipo de reação do dono gera muita confusão.  Em primeiro lugar, não é difícil imaginar que o cão pode entender esta bronca não ao fato dele comer cocô - já que ele não tem consciência de que este hábito possa causar tanto asco nos humanos - e sim ao fato do cocô estar ali.  Com isso, temos duas consequências: 1) o cão começa a comer o cocô para evitar que vc se chateie por achar cocô na casa; 2) estas broncas "sem motivo aparente" costumam deixar o filhote tremendamente ansioso, o que costuma provocar mais comportamentos compulsivos, tais como comer cocô.  Em suma:  quanto mais vc se incomoda com o problema, mais ele aumenta

Indicações:

Como já vimos acima, a coprofagia pode ser determinada por muitos fatores, e não existe uma mágica que faça tal comportamento desaparecer. Sem se analisar o que exatamente está causando tal sintoma, uma atitude errada pode não ter efeito algum, ou mascarar o real problema. Portanto, antes de qualquer medida, converse com o veterinário de sua confiança e faça um exame nas fezes de seu cão para eliminar os fatores físicos.

Não podemos deixar de comentar de filhotes que brincam com o cocô. Normalmente estes filhotes não têm brinquedos que de fato os interessem, então eles procuram outras distrações. A questão aqui é olhar com mais atenção para saber que tipo de distração seu filhote gosta, e fornecê-la a ele. Nem sempre adivinhamos que tipo de brinquedos um filhote irá gostar. O que pode ser muito atrativo para um cão, pode não fazer o menor sucesso com o outro. Portanto, aqui a solução é sempre trazer novas alternativas, não se limitando a bichinhos de borracha e bolinhas.

Existe um Floral de Bach chamado CRAB APPLE indicado para casos de coprofagia. Este floral deve ser ministrado diretamente na boca do cão, ou pingado em algum petisco canino, que o cão deve comer imediatamente. Dê 4 doses diárias de 4 gotas por 5 dias. A partir daí comece a diminuir uma dose por dia. Se o comportamento voltar, ao se diminuir as doses, passe a dar as 4 doses diárias novamente por mais 5 dias, diminuindo então uma dose por dia. Em casos de cães de raças grandes cada dose deve ser de 6 dotas

Normalmente o cão come o cocô imediatamente após tê-lo feito.  É quase um ato reflexo:  ele faz e come, portanto se vc puder ficar de olho no seu cão para pegá-lo no ato, ótimo:  assim que ele acabar de fazer  cocô,  distraia-o! DÊ um petisco, ou brinque com ele para que ele "se esqueça" do cocô.  Assim vc desconecta os dois atos.  Se você, no entanto, só percebe a coisa quando já aconteceu, não dê muita importância. Ao se deparar com um cocô (comido ou não) recolha-o e - se possível - felicite seu cão.  Com tal atitude vc fará com que ele deixe de ter medo que vc encontre o cocô dele , e muitas vezes só isso pode acabar com o problema da coprofagia.

Se vc tem nojo de brincar com seu cão, quando ele come cocô, dê um biscoito canino para ele antes de voltar a brincar.  Estes biscoitos são feitos para limparem os dentes dos cães e com isso fazem as vezes de uma escova de dentes.  Há, inclusive, bolachas com hortelã especialmente feitas para acabar com o mau hálito dos cães.

Boa sorte!

Maíce Costa Carvalho, adestradora
maice@dogtimes.com.br

 

   

Veja como praticar sua liderança e ensinar ao seu cão o que você quer dele, lendo as matérias sobre adestramento:

- senta
- deita
- vem ou aqui
- não pula
- não morder
- andando junto

Leia também: Manual do Filhote - tudo o que você precisa saber para educar bem o seu filhote.

Fale com a Gente

 
  Compartilhe
o Dogtimes
 

 

 


Voltar ao topo da página


  © COPYRIGHT M&M Arte Soluções Web  LTDA 1997-2014
Este site, suas fotos e textos, tem seus direitos autorais protegidos por lei.
É proibida sua reprodução parcial ou total sem autorização expressa e por escrito.