no ar desde 1998

 

Principais espécies de carrapatos encontrados em cães no Brasil

 


No mundo todo existe um grande número de espécies de carrapatos adaptados a se alimentar de sangue de répteis, aves e mamíferos, e conseqüentemente os cães são alvos freqüentes de carrapatos. No Brasil encontram-se dois gêneros parasitando os cães: Rhipicephalus e Amblyomma. Cada grupo com características distintas de biologia e medidas de controle.

O ciclo-de-vida dos carrapatos, independentemente da espécie, possui três estágios: larva, ninfa e adulto. O ato de se alimentar de sangue (hematofagia) ocorre necessariamente em todos os estágios e a muda (ou ecdise),  processo pelo qual a proteção externa (exoesqueleto) é substituída com a finalidade de permitir o crescimento do corpo, ocorre fora do corpo do cão, ou seja no ambiente (solo, frestas, etc). Portanto em cada fase da vida o carrapato precisa se desprender do cão, cair no solo, se diferenciar no estágio seguinte e novamente subir no hospedeiro.

As larvas são caracterizadas por apresentarem 3 pares de pernas, enquanto que as ninfas e adultos apresentam 4 pares de pernas. Os adultos são diferenciados das ninfas por apresentarem próximo às pernas uma abertura na fase mediano-ventral denominada de abertura genital, já que apenas nesta fase eles estão aptos a se reproduzir. Os carrapatos machos adultos são identificados por possuírem o escudo protegendo totalmente a superfície dorsal do animal e na fêmea (Figura 1) este escudo protege parcialmente a superfície dorsal, aparecendo apenas no primeiro terço do corpo.


Figura 1: Fêmea adulta ingurgitada da espécie Amblyomma cajennense.
A seta indica o detalhe do escudo ornamentado
Fonte: http://icb.usp.br/~marcelcp/Imagens/carr21.jpg

Figura 2: Larvas de Amblyomma
cajennense
em tocaia
Foto: Acervo de Ricardo R. Cabrera


Carrapatos Nativos

O gênero Amblyomma compreende os carrapatos nativos que parasitam os cães acidentalmente, pois seus hospedeiros naturais são animais silvestres. Portanto eles são encontrados em cães que vivem ou freqüentam áreas de mata ou áreas rurais e suburbanas. Estes carrapatos possuem hábito de tocaia, ou seja, quando estão prontos para se alimentar vão para a ponta da vegetação com a finalidade de se  fixar no hospedeiro (Figura 2).

Nos terrenos baldios e parques de ambientes urbanos é possível encontrar algumas espécies parasitando cães, como por exemplo a fase adulta do Amblyomma aureolatum, que  é encontrada parasitando cães no campus da USP na cidade de São Paulo e Amblyomma cajennense em áreas com vegetação frequentadas por cavalos . No meio rural o carrapato Amblyomma cajennense é um dos principais parasitas externos (ectoparasitas) de cavalos e todos estágios (larva, ninfa e adulto) são encontradas em cães que vivem neste tipo de  ambiente.

Em relação à saúde-pública, esta espécie é o principal parasita de humanos no Sudeste e Centro-Oeste brasileiro e o principal vetor da Febre Maculosa, doença severa, altamente letal, causada pela bactéria Rickettsia rickettsii, já registrada nos Estados de São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Espírito Santo. Os cães também podem ser acometidos por essa bactéria. Outras espécies foram encontradas parasitando cães como Amblyomma ovale, Amblyomma brasiliense e Amblyomma tigrinum.

A principal forma de prevenção para estas espécies é evitar o livre acesso dos cães em ambientes com animais silvestres e áreas de pastagens de cavalos. Caso o proprietário more em ambiente urbano e leve o seu cão para passear em áreas rurais ou de mata, deve ser feita a aplicação de produto carrapaticida logo após a sua volta. Caso alguns espécimes consigam permanecer no cão, mesmo após o uso do carrapaticida,  esses carrapatos não irão se estabelecer nesses ambientes,  devido à falta de condições propícias para o seu desenvolvimento. Entretanto esses carrapatos podem se estabelecer e continuar o seu ciclo-de-vida em áreas restritas como ambientes com grama não-aparada ou mato. Portanto uma forma útil de evitar eventual presença de carrapatos é fazer sempre a manutenção e limpeza de áreas com jardins e gramíneas.


Carrapatos Exóticos

O carrapato Rhipicephalus sanguineus (Figura 3) é a única espécie do gênero que conseguiu se estabelecer nas Américas e são parasitas primários de cães. Eles são carrapatos com origem na região Afrotropical e vieram junto com os animais domésticos na época da colonização.


Figura 3: Fêmea adulta de Rhipicephalus sanguineus.
A seta indica o escudo sem ornamentação
Fonte: http://icb.usp.br/~marcelcp/Imagens/carr21.jpg

Atualmente são encontrados em todas as regiões zoogeográficas do mundo, sendo vetores naturais das doenças Babesiose canina e Erliquiose canina, causadas respectivamente pelas bactérias Babesia canis e Ehrlichia canis.

Uma das principais características dessa espécie é o hábito de permanecer constantemente nos abrigos como ninhos, tocas e buracos freqüentados pelos canídeos. No ambiente urbano esses carrapatos conseguiram se adaptar perfeitamente, utilizando-se de  frestas de muros, canis, casinhas e buracos em paredes para abrigar as fases não-parasitárias.  No ambiente rural podem ser encontrados geralmente próximos ao local que serve de dormitório para o cão.

O controle dessa espécie compreende a aplicação de produto carrapaticida no animal e a aplicação de produtos domissaniantes no ambiente onde o cachorro é abrigado. A não utilização de medidas profiláticas e curativas em ambientes infestados com R. sanguineus pode propiciar, além das doenças anteriormente descritas,  sérios problemas no animal (Figura 4) como anemia, irritação local, dermatite e coceira.


Figura 4: Rhipicephalus sanguineum infestando o pavilhão auditivo de um cão
Fonte: http://icb.usp.br/~marcelcp/Imagens/carr21.jpg

CONCLUSÃO

  • Existe um grande número de espécies de carrapatos que podem parasitar cães;

  • O cão é hospedeiro primário de uma única espécie de carrapato (Rhipicephalus sanguineus);

  • O cão pode ser hospedeiro acidental de várias espécies do gênero Amblyomma;

  • Sempre se deve identificar a espécie de carrapato que está infestando o seu cão antes de adotar medidas de controle;

  • O local onde o cão vai ser abrigado deve ser limpo constantemente;

  • A pelagem do cão deve estar sempre limpa e fazer observação  detalhada com a finalidade de se encontrar eventuais ectoparasitas.

DÚVIDAS FREQUENTES

1.Os carrapatos dos cães podem transmitir a febre maculosa?

As principais espécies de carrapatos que estão envolvidas na transmissão da bactéria da Febre Maculosa são: Carrapato-estrela (Amblyomma cajennense) e Carrapato-amarelo-do-cão (Amblyomma aureolatum). O Carrapato-estrela, como dito no texto, é encontrado principalmente em cavalos e capivaras, sendo os cães parasitados acidentalmente. Já em relação ao Carrapato-amarelo-do-cão pode-se dizer que em algumas áreas os cães são os hospedeiros primários de sua fase adulta, tendo um importante papel na disseminação e manutenção desta espécie em áreas como na periferia da cidade de São Paulo.

Por isso sempre faça uma vistoria em seu cão em busca de eventuais carrapatos. E mais um lembrete os carrapatos tem que se infectar com a bactéria para ter a chance de transmitir a Febre Maculosa, por isso não são todos os indivíduos de uma população de carrapatos que estão infectados.

2. Cães podem ser vítima desta doença?

Sim, os cães podem ser vítimas de Febre Maculosa, pois são hospedeiros acidentais, como o homem, sendo os reservatórios alguns animais silvestres como por exemplo roedores.

Os sintomas desta doença nos cães são: febre, falta de apetite, vômitos, manchas na mucosa, conjuntivite, diarréia, perda de peso e desidratação. Geralmente os cães conseguem superar a doença e ficam imunes a estas bactérias.

O cão não transmite Febre Maculosa.

3. Moro em apartamento e meu cão nunca sai de casa. Mas descobri carrapatos nele. Como é possível isso?

O seu cão, mesmo nunca saindo do apartamento, pode ser infestado por carrapatos da espécie Rhipicephalus sanguineus provenientes de cães de apartamentos vizinhos. Nas fases não-parasitárias estes carrapatos procuram locais escuros para se abrigar e tem o comportamento de subir paredes e muros, sendo difícil encontrá-los no chão. Portanto na tentativa de encontrar abrigo ou no período de busca de alimento (busca do cão) esses carrapatos podem infestar outros apartamentos e outros cães. Entretanto neste caso, pior do que uma infestação de carrapatos e deixar um cão preso no apartamento e sem contato com outros animais, ambientes e pessoas.

4. Existe perigo dos carrapatos dos cães transmitirem doenças aos homens? A babesiose é transmitida ao homem?

De todas doenças descritas no texto a única que pode ser transmitida ao homem é a Febre Maculosa, onde o cão e o homem são hospedeiros acidentais. Portanto em um passeio pela mata em uma área endêmica de Febre Maculosa você tem as mesmas chances que o seu cachorro de entrar em contato com um carrapato do gênero Amblyomma contaminado com a bactéria Rickettsia. Não existem relatos de Babesiose canina e a Erliquiose canina no homem.

5. Na minha casa os carrapatos estão subindo pelas paredes! Qual é o método mais eficiente de eliminar os carrapatos do ambiente? O que é a vassoura-de-fogo?

O melhor método de combate ao carrapato Rhipicephalus sanguineus é a adoção de estratégias ao mesmo tempo no ambiente e no animal. Produtos carrapaticidas de uso tópico ou spray devem ser usados nos cães com a frequência recomendada pelo fabricante  do produto. Para o ambiente deve ser usado produtos a base de piretróides nos locais frequentados pelos cães. Esta aplicação no ambiente só deve ser realizada por empresas de controle de pragas. No ambiente externo pode ser utilizado vassoura-de-fogo que consiste de um maçarico cuja função é esterilizar toda área onde possa conter carrapatos ou outros parasitas, tendo como principal vantagem não contaminar o ambiente com substâncias tóxicas, entretanto não tem ação preventiva.

6. A Erliquiose e a Babesiose tem cura?

Segundo a literatura um cão pode ser curado de Babesiose. Entretanto um cão doente com Ehrlichiose mesmo depois de tratado pode voltar a ter sintomas caso tenha uma deficiência imunológica decorrentes de stress ou doenças intercorrentes.

7. É possível que os carrapatos desenvolvam resistência aos produtos usados? Se sim, devo alterar o produto que eu uso com que freqüência?

Sim, é possível que os carrapatos desenvolvam resistência aos produtos usados, porém infestações eventuais podem ser erradicadas com o mesmo produto. Caso existam grandes infestações de carrapato é recomendável utilização de diferentes princípios-ativos, sempre respeitando a dosagem e a periodicidade recomendada pelo fabricante.

 

Prof. Msc Ricardo R. Cabrera
Biólogo / Entomologista / Acarologista
ricabrera@yahoo.com

   

Veja também:

- Babesiose
- Carrapatos - como combater
- Carrapatos - revisto e ampliado
- Ehrlichiose

Em casos de emergência NÃO DEPENDA DA INTERNET. Tenha sempre o telefone do seu veterinário de confiança ou consulte a lista de serviços veterinários e hospitais 24 horas.

Fale com a Gente

 
  Compartilhe
o Dogtimes
 

 

 


Voltar ao topo da página


  © COPYRIGHT M&M Arte Soluções Web  LTDA 1997-2014
Este site, suas fotos e textos, tem seus direitos autorais protegidos por lei.
É proibida sua reprodução parcial ou total sem autorização expressa e por escrito.