Cavalier King Charles Spaniel - Guia de Raça de Cachorro - Dog Times
 

 

 

 
Personalidade Problemas comuns à raça Sobre o Cavalier King O Filhote Padrão  
 

 

O Cavalier King Charles Spaniel foi desenvolvido a partir do King Charles Spaniel e é um dos mais antigos e populares cães ingleses. Em meados do século XVII ganhou destaque ao ser declarado, por decreto real do rei D. Carlos II, mascote de Inglaterra, e recebeu seu nome como uma homenagem ao rei inglês. A paixão do rei pelos cães era tão grande, que eles podiam circular livremente em todos os palácios e eram tratados com a deferência dos ´favoritos do rei´. Freqüentemente eram retratados junto ao monarca, que fazia questão de ter sempre um exemplar por perto, e chagavam mesmo a dormir nos aposentos reais.

Com o passar dos anos, porém, o Cavalier King quase desapareceu como raça pura, pois foi cruzado com raças de porte menor e narizes curtos, importadas da China e do Japão, especialmente com Pugs. Foi somente por volta de 1926, que os criadores conseguiram recuperar o tipo original e voltaram a criar o velho Cavalier Charles Spaniel. Assim, depois de alguns cruzamentos, hoje temos duas raças: o de menor porte, o King Charles Spaniel, e o maior, o Cavalier King Charles Spaniel.

Ainda criança a Rainha Vitória possuiu um Cavalier chamado "Dash" e durante toda a sua existência o interesse em desenvolver e criar cães, aliado ao advento das exposições, ajudou a mudar radicalmente a raça na sua forma original.

Em 1928, o Cavalier King Charles Spaniel Club foi fundado na Inglaterra e em 1944 a raça foi reconhecida pelo Kennel Clube.

Mantendo sua tradição aristocrática a raça voltou com força total aos palácios reais em 1960, quando a então princesa Margareth e seu marido adotaram um exemplar. A partir daí, e consolidando sua participação em exposições importantes na Inglaterra, a raça de expandiu e atualmente é a 5ª mais registrada na Inglaterra, superando outros cães de companhia tradicionais como o York e o Poodle.

Nos Estados Unidos, um dos proprietários mais famosos da raça foi o ex-presidente Ronald Reagan, que tinha um Cavalier King Charles Spaniel chamado Rex.

No Brasil, a raça ainda é pouco conhecida, mas existem criadores regulares há muitos anos.


Personalidade

O Cavalier é um cão de companhia por excelência e como tal, apresenta um comportamento dócil e amistoso, mesmo com estranhos. Pesando entre 5 e 9 quilos, é um cão pequeno mas sem ser ´frágil´ sendo considerado dos cães tipo toy, um dos mais robustos e resistentes.

Normalmente são cães que se adaptam a qualquer tipo de ambiente, mesmo pequeno, mas não dispensa uma caminhada diária. Essa disposição aliada a uma grande agilidade, fazem com que possam participar com sucesso de provas como o Agility.

Não são cães especialmente latidores, mas por terem sido desenvolvidos para a função de companhia, não suportam bem períodos de solidão, e o tédio pode levá-los a desenvolver o comportamento de latir em demasia.

Por ser essencialmente pacífico e dificilmente apresentar traços de agressividade, o Cavalier Charles Spaniel não é um bom cão de guarda. O máximo que ele pode fazer ao dar de frente com um estranho é dar algumas rosnadas. Já seu faro é invejável, o que o levou a ser utilizado algumas vezes para farejar drogas e participar de caçadas. Na Inglaterra, onde a caça é permitida, sua performance de caçador é notável. Lá é treinado a apanhar a presa e trazê-la de volta (uma especialidade de Retrievers e Spaniels); obviamente pequenas aves compatíveis com seu tamanho. É também aproveitado para farejar drogas.

Muito inteligentes e interessados em aprender, o Cavalier aparece na 44ª posição entre 135 raças pesquisadas e que deram origem à classificação do estudioso Stanley Coren, publicada no livro ‘A Inteligência dos Cães’. Participa com frequência de provas de obediência e obtém excelentes resultados.


O Filhote

Os filhotes devem perceber desde cedo, quais os limites para suas travessuras. Se for preciso deixá-los longos períodos sozinhos, os donos devem acostumá-los desde a fase de filhote incentivando-o a não latir em seus períodos de ausência. Mas o principal para o sucesso de uma boa educação será a postura dos donos que não devem deixar-se levar pelo aspecto frágil do filhote, mimando excessivamente o cão.

Especialmente durante a fase de crescimento, é importante cuidar para que os filhotes não sofram traumatismos, que podem comprometer seu desenvolvimento ósseo. O mesmo cuidado deve ser tomado quanto à quantidade de comida, evitando o peso em excesso.

O padrão da raça admite caudas íntegras ou amputadas. Caso a amputação seja feita, deve se recorrer a um veterinário que promoverá o corte após 96 horas do nascimento.


Pelagem

Apesar do seu pelo ser comprido e sedoso, a raça não demanda muitos cuidados com a tosa (proibida para a participação em exposições). Para que se mantenha em perfeito estado, recomenda-se escovações periódicas e cuidados especiais com a pelagem nas orelhas e axilas, evitando que se formem nós.

Existem quatro combinações de cores aceitas pelo padrão: vermelho unicolor, negro-fogo (black-tan), branco com manchas castanhas (bicolor) e branco, castanho e preto (tricolor).


Problemas comuns à raça

A tendência à obesidade é um dos principais problemas que a raça enfrenta, mas que pode ser controlada e evitada com uma alimentação adequada. Outra doença característica da raça é a doença da válvula mitral. Esta é uma alteração cardíaca que reduz o tempo de vida de algumas linhas de sangue da raça, provavelmente de caráter hereditário.