no ar desde 1998

 
 

 

 

 
Personalidade Problemas comuns à raça Sobre o Collie O Filhote Padrão  
 

 

stu-mtn.jpg (11407 bytes)A origem do Collie é um grande mistério e dá margem a inúmeras teorias sobre os cães que colaboraram para sua formação. Especula-se que o Collie deva ser um descendente do Gordon Setter, Terranova e mesmo Scottish Terrier. Alguns historiadores afirmam ainda que existem traços de que tenha havido cruzamentos com o Borzoi, Deerhound e Greyhound.

Independente de quais as raças que deram origem ao Collie, o que ninguém contesta é uma raça de origem escocesa, desenvolvida para o trabalho de pastoreio de ovelhas. Nesta época eles ainda não tinham a forma física atual e apresentavam também grande diferenciação quanto ao tamanho e aspecto.

Imagem do Site Chelsea ColliesOs primeiros registros do Collie são da primeira exposição canina, em 1860, quando era apresentado com o nome de Scottish Sheep Dog, mas foi em 1871 que exemplares do tipo atual do Collie foram apresentados pela primeira vez e desde então, quer por sua aparência exuberante, quer por seu temperamento amistoso, os Collies ganharam grande popularidade, tendo sido criado até pela rainha Vitória, em sua propriedade em Balmoral.

Imagem do Site Chelsea ColliesNo entanto, nada se compara à influência do filme Lassie, que lançado em 1941, transformou o Collie numa das raças mais admiradas em todo o mundo. Apesar do filme ter como personagem uma fêmea, o curioso é que durante todo o tempo em que foi exibido, quer no cinema, quer nos seriados de TV, os cães eram todos machos, sendo que o primeiro deles era Pal, um cão especialmente sensível e expressivo que superou outros 300 candidatos ao papel tendo um desempenho acima das expectativas na cena de teste, tinha que atravessar um rio e cair por terra exausto. Todos os cães que se seguiram no papel eram descentes de Pal. O sucesso do cão foi tão estrondoso que poucos se lembram de Elizabeth Taylor, que também estreava no filme.


Assim como mostra o filme Lassie, os Collies são cães extremamente apegados ao dono e às pessoas da família, um dos traços mais marcantes da raça, certamente um resquício dos tempos em que atuava com ovelhas.

nc1.jpg (24915 bytes)Inteligente, o Collie ocupa a 16a posição na escala de inteligência do psicólogo Stanley Coren, publicado no livro "A Inteligência dos Cães", e segundo o autor, isto significa que eles são excelentes para executar tarefas de trabalho. O treinamento de simples comandos são normalmente assimilados depois de 5 a 15 repetições e serão memorizados facilmente, embora ainda possam melhorar com a prática.

No entanto, o Collie precisa de estímulos para que possa se desenvolver adequadamente. Não é, de maneira nenhuma, um cão que possa ser deixado no fundo do quintal. Além de ser importante para o desenvolvimento mental do cão, os exercícios contribuem para que ele queime gordura evitando assim problemas com obesidade, que é facilmente escondida pelo pêlo muito cheio e denso.

Apesar de ter praticamente abandonado o trabalho no campo para ocupar posição de destaque como cão de companhia, o Collie precisa de espaço e exercícios, o que faz com que se destaque nas competições de agility.

Extremamente pacientes com crianças, os Collies são muito tolerantes até mesmo com brincadeiras mais ‘violentas’, desde que tenham tido contato com elas desde pequeno.

São relativamente reservados com pessoas estranhas e costumam adaptar-se bem a outros animais.

Alguns exemplares podem latir excessivamente e envolver-se em acidentes caso fiquem totalmente livres, pulando muros baixos para perseguir carros, ciclista, motos, corredores.


Imagem do site do Canil Sambucan

Os filhotes possuem grande energia e são extremamente brincalhões. Aprendem rapidamente, característica que deve ser aproveitada pelo dono para conseguir um cão obediente e companheiro.

Até em função dessa energia, são do tipo que é ‘melhor manter ocupados’ e longe de seus móveis. Assim, a melhor coisa é proporcionar ao filhote brinquedos com os quais possa se distrair e longas sessões de exercícios e brincadeiras.

A pelagem do collie ainda filhote muda bastante até atingir a maturidade. O pelo cedoso vai se tornando áspero aos poucos até chegar à textura definitiva.


Imagem do site do Canil SambucanA pelagem do Collie requer muitos cuidados para que seja saudável e bonita. Formada por pelo e subpelo, é extremamente adequada à proteção contra o frio. Deve ser escovada pelo menos 3 vezes por semana, de preferência com escovas de cerdas para que seja retirado todo o pelo morto, prevenindo nós e problemas de pele.

Normalmente durante o período quente os Collies trocam de pelo, o que pode causar um certo transtorno, uma vez que a quantidade é expressiva, mas com a ajuda da escovação, é um problema contornável.

Raspar os pêlos no verão é um grande erro. Embora Collies não sejam "apaixonados" pelos dias quente, o pelo denso funciona como um isolante térmico.

Segundo o padrão aceito pela cinofilia brasileira, os Collies podem apresentar-se em 3 cores distintas: Marta (na foto, deitado), Tricolor (em pé, à direita) e Azul Merle (sentado, à esquerda). Os americanos reconhecem essas mesmas 3 cores, mas acrescentam ainda o branco.

Em qualquer que seja a cor, as manchas brancas típicas da raça (na juba, patas e pés e cauda) devem estar presentes.

Os olhos azuis só são aceitos nos exemplares Azul Merle.


Os collies são cães bastante sensíveis à medicações e por isso todo o cuidado é pouco e é extremamente não recomendável medicar seu cão sem o conhecimento do veterinário.

Os problemas mais comuns à raça são:

  • past EXPO0038.JPG (14258 bytes)Dermatite

  • Collie Nose – problema característico da raça. O nariz do cão descasca e tem rachaduras dolorosas quando exposto ao sol.

  • Os collies apresentam uma síndrome ocular que pode levar à cegueira. Chamada em inglês de CEA – Collie Eye Anomaly, estima-se que 95% dos cães da raça transmitam a doença mesmo que não desenvolvam seus sintomas.

  • Atrofia Progressiva da Retina (PRA) – que pode levar o cão à cegueira

  • Dermatomiosite – aparece até 1 ano de idade e só incide sobre o Collie e o Pastor de Shetland. A pele fica avermelhada e desenvolve crostas. Há forte perda de pelo. Pode desenvolver ainda atrofia muscular, dificuldades de locomoção e mastigação.

   

 

 

 

 

Referências Utilizadas

  • Revista Cães e Cia
  • Coleção - Nossos Amigos, os Cães
  • Site Lord Cão

Para Saber Mais:

 

 

 

 

 

Fale com a Gente

 
  Compartilhe
o Dogtimes
 

 

 


Voltar ao topo da página


  © COPYRIGHT M&M Arte Soluções Web  LTDA 1997-2014
Este site, suas fotos e textos, tem seus direitos autorais protegidos por lei.
É proibida sua reprodução parcial ou total sem autorização expressa e por escrito.