no ar desde 1998

 

Leishmaniose


 

A Leishmaniose Visceral, também conhecida em muitas regiões como Calazar, é uma doença infecciosa, não contagiosa, causada por protozoários flagelados do Gênero Leishmania. A transmissão e a infecção dependem principalmente de um vetor (condutor), no caso, um mosquito e de um hospedeiro vertebrado, que funciona como um reservatório da doença. Os insetos são pequenos, medem de 1 a 3 mm de comprimento, conhecidos popularmente por mosquito palha, apresentam o corpo coberto de pelos, e uma coloração castanho claro ou cor de palha.

São facilmente reconhecidos pelo seu comportamento, ao voar em pequenos saltos e pousar com as asas entreabertas. Adaptados a diversos ambientes, desenvolvem-se em locais terrestres úmidos, ricos de matéria orgânica e com baixa incidência luminosa. Com hábitos crepusculares, somente a fêmea alimenta-se de sangue para maturação dos ovos.

Os principais reservatórios envolvidos na transmissão da doença são: caninos, felinos, homem, roedores, edentados, marsupiais, procionídeos e primatas. O cão doméstico, é apontado como a principal fonte de infecção para os flebotomíneos, quer pelo alto índice da doença neste animal em área endêmica, quer pela grande quantidade de parasitas presentes na pele do mesmo.

O período de incubação da doença em animais naturalmente infectados é variável, e estes podem apresentar sintomatologia em 3 meses ou até 7 anos, levando a diferentes apresentações clínicas.

A leishmaniose canina se caracteriza pela sua enorme variabilidade clínica e lesional, devido  basicamente a fatores individuais relacionados exclusivamente ao tipo de resposta imunológica desenvolvida, grau de infestação, tempo de evolução da enfermidade e aos órgãos afetados.

lechma.jpg (28781 bytes)

Sintomas Clínicos

Com relação ao seu quadro clínico, os cães infectados pela leishmaniose podem ser sintomáticos, ou seja, apresentando sinais da doença (visualmente ou por alterações sanguíneas); ou assintomáticos, caso não apresentem nenhuma alteração.

Ainda que doentes, os cães podem obter cura clínica e epidemiológica, ou seja, não apresentarem mais sinais clínicos e nem mesmo serem transmissores.

Não existem sinais específicos para a leishmaniose e deve-se sempre procurar por diagnósticos diferenciais, ter certeza se aquele animal está doente em consequência da leishmaniose ou de outra doença.

Por ser uma doença multissistêmica seus sinais são bem variados e inespecíficos no cão. Os sinais clínicos mais comuns são lesões de pele, linfadenomegalia (aumentos dos linfonodos), emagrecimento, atrofia muscular, onicogrifose (crescimento das unhas), lesões oculares, anemia e doença renal.

Podem apresentar descamação, ausência de pelo localizada ou generalizada, com ou sem presença de úlceras, pústulas ou nódulos.

As manifestações oculares mais comuns são devido a inflamação da pálpebra, conjuntiva, glândula lacrimal ou estruturas internas do olho, podendo levar o animal a diminuição ou perda da visão. A doença renal é a principal causa de morte nos cães com leishmaniose visceral.

A leishmaniose é uma doença inflamatória, sistêmica e crônica, que pode envolver qualquer órgão, tecido ou fluido corporal. Sua apresentação clínica é bem variada, inespecífica e mimetiza qualquer outra doença.

O clínico deve estar bem preparado para diferenciá-la de outras doenças como dermatofitose, sarnas, demodicose, doenças autoimunes e hormonais, erliquiose, babesiose e outras doenças transmitidas por vetores, linfoma e outras neoplasias, distúrbios metabólicos entre outras.

Conhecer a apresentação clínica e o correto diagnóstico é o primeiro passo para a condução consciente do paciente.

DIAGNÓSTICO

O diagnóstico da leishmaniose visceral canina (LVC) deve seguir uma sequência de eventos  investigativos, associado a presença de sinais e sintomas indicativos da doença, além da confirmação pelos exames laboratoriais.

A investigação começa com o histórico do cão em residir, frequentar ou até mesmo transitar por regiões endêmicas para a enfermidade, fase essa conhecida como diagnóstico epidemiológico.

Os principais  sinais e  sintomas indicativos da LVC  são: perda de peso progressivo, lesões em pele  (descamação,  perda  de  pelame,  feridas  ulcerativas),  crescimento exagerados  das  unhas (onicogrifose), aumento dos gânglios linfáticos (linfonodos), entre outros. Porém estes sinais e sintomas  podem  ser  observados  em  outras  doenças  que  acometem  os  cães,  por  isso  são apenas indicativos e não conclusivas de LVC.

Os exames laboratoriais específicos podem ser divididos em dois grupos:

  • pesquisa indireta, realizada por meio de ensaios sorológicos (RIFI) e imunoenzimáticos (ELISA, os quais detectam a presença de anticorpos contra o parasito. Os anticorpos são  formados  quando  o  sistema  imunológico  entra em  contato  com  o  parasito  e estabelece uma determinada resposta.
    Quando  o  resultado  for  NÃO  REAGENTE, está  associado  a  ausência  ou  a  pouca quantidade de anticorpos para o teste detectar (animais negativos que não entraram em  contato  a  Leishmania sp,  início  de  infecção  ou  animais  anérgicos); quando  for REAGENTE, houve contato  com  o  antígeno  causador  da  LVC    ou  pela  presença  de reação  cruzada,  quando  anticorpos  contra  outros  agentes  infecciosos  (Ehrlichia, Babesia,  Trypanosoma,4 Leishmania4 brasiliensis,  entre  outros)  podem  reagir  com  o antígeno causador da LVC. A pesquisa indireta pode propiciar resultados FALSO negativo e positivo, portanto não é indicada para determinar a eutanásia de cães.

  • pesquisa  direta  do  parasito,  realizada  principalmente  pelas  técnicas  dos  exames  citológico, histopatológico e imunoistoquímica. Essas  técnicas  são  consideradas  como  as  mais  eficientes  para  o  diagnóstico,  pois  se visualiza o agente causador da enfermidade, não deixando dúvidas com relação ao cão realmente estar com LVC. Porém, não é fácil a observação do parasito, isso ocorre em 50 a 80% das amostras obtidas, dependendo da técnica utilizada. Quando se tem a pesquisa de anticorpos positiva para Leishmania, indica\se a pesquisa do  parasito  como melhor  método de  contraprova  para  se  firmar  o  diagnóstico  da LVC.

Vale ressaltar que a visualização do parasito é a melhor forma de concluir o diagnóstico da LVC, porém isso nem sempre ocorre. Dessa forma, recomenda;se associar o maior número de evidências e exames laboratoriais para se chegar a um diagnóstico conclusivo, já que no Brasil existem restrições ao tratamento, adotando-se como principal medida de controle a eutanásia.

TRATAMENTO

O tratamento da leishmaniose canina vem sendo realizado no mundo inteiro desde 1960, como forma terapêutica e preventiva da doença, com implicações diretas na redução da prevalência humana. Na Europa, especificamente na França, Itália, Espanha, e Portugal, existem drogas leishmanicidas específicas para o tratamento canino (Glucantime®-Merial; Milteforan®- Virbac).

No Brasil, há mais de 50 anos as autoridades de saúde praticam a eliminação de cães positivos, apoiados em um decreto de 1963 (Decreto 51.858). O crescimento da doença comprova a ineficácia dessa questionável política.

Diversas pesquisas no Mundo e no Brasil demonstram que o animal, tratado e controlado, não é infectante, não oferecendo risco à Saúde Pública.

A LVC é uma doença tratável, apresentando cura clínica (desaparecimento de sinais clínicos), mas, raramente, a cura parasitológica (o parasita permanece no organismo do animal/ser humano). Este fato não é preocupante nem incomum, já que em doenças causadas por protozoários – como são as
Leishmanioses – a Doença de Chagas e a Toxoplasmose não existe a eliminação completa do parasita no cão ou no ser humano.

O homem e o cão podem viver normalmente, mas devem fazer acompanhamento periódico para que a doença não volte a se manifestar.

No Brasil, estudos demonstram que o tratamento de cães portadores do parasito com a vacina Leishmune® tem apresentado bons resultados. A vacina Leishmune® usada em dupla concentração associada à quimioterapia com alopurinol ou anfotericina b, reduziu os sinais clínicos e a evidencia do parasito, modulando a evolução da infecção e o potencial de infecciosidade para flebótomos.

A causa da morte na leishmaniose visceral humana e canina é a lesão renal ou do fígado, por isso a importância do acompanhamento pelo médico veterinário que fará exames periódicos no animal (a cada 3 – 4 meses).

O cão portador da LVC fará acompanhamento contínuo. Caso ele venha a apresentar exame sorológico negativo, o veterinário deverá avaliar se continuará ou não a medicação; porém o monitoramento através de exames deve ser feito a cada 6 – 12 meses como forma de evitar recidivas da doença.

De qualquer forma, TODOS os cães – infectados ou não – devem usar repelentes para evitar as picadas do mosquito-palha por toda vida.

Prevenção

Para evitar a disseminação dos focos da doença no país e a consequente contaminação dos animais, é fundamental que os proprietários adotem atitudes preventivas.

Proteção para o cão

Existem várias formas de prevenção da Leishmaniose Visceral Canina:

1) Vacina: Iniciar a vacinação em cães a partir dos 4 meses de idade, saudáveis e previamente testados para Leishmaniose Visceral Canina. O protocolo completo é de 3 (três) doses, com intervalo de 21 dias entre cada aplicação. Revacinação Anual: A revacinação deve ser feita 1 (um) ano após a primeira dose – repetida anualmente – bastando 1 (uma) dose de vacina para manter o animal imune.
Caso a revacinação não seja feita até o período indicado, o protocolo inicial de 3 (três) doses deverá ser feito novamente

Considerações:

  • A vacina é apenas para cães saudáveis e soronegativos para Leishmaniose Visceral
    Canina.
  • É obrigatório fazer exame sorológico antes da vacinação, para detectar os cães previamente infectados.
  • O cão só é considerado protegido 21 dias após a terceira dose de vacina. Até que se cumpra esse período (63 dias após primeira dose) o animal poderá contrair a doença, portanto outras medidas de prevenção (vide mais abaixo) devem ser adotadas até o esquema vacinal estar completo.
  • A vacina contra Leishmaniose Visceral Canina promove entre 92% e 95% de proteção. Assim, apenas uma minoria de cães não responderá à vacinação, caso siga o programa vacinal completo. Cães de áreas com grande incidência da doença devem implementar outras prevenções em conjunto.

2) SpotOn a base de imidacloprida e permetrina: O produto deve ser aplicado na nuca do cão, diretamente sobre a pele. A utilização a cada 4 semanas repele e mata o inseto por contato.

3) Spray a base de permetrina: Protege os cães contra o mosquito por até 7 dias. Deve ser usado em animais a partir de 3 meses de idade. Ação imediata após a aplicação.

4) Pour-on a base de permetrina: Repelente aplicado no dorso de cães a partir de 4 semanas de idade. Deve ser usado mensalmente, conforme recomendação do fabricante.

5) Coleira a base de deltametrina: Pode ser usada por cães a partir de 3 meses de idade e protege por até 6 meses. Tem ação repelente e inseticida.

Medidas adicionais de prevenção:

  • Mantenha o animal dentro de casa ao entardecer (entre 18:00 e 06:00 hrs). Não leve o cão para áreas endêmicas (cidades onde a doença já existe). Coloque telas nas janelas e no canil, espalhe vasos de citronela pelo quintal.
  • Limpe seu quintal. Recolha folhas, flores e frutos caídos, e as fezes dos animais; feche bem o seu lixo. Incentive todos os vizinhos a fazerem o mesmo.
  • Denuncie e combata o desmatamento de áreas verdes em seu município. Esse é um dos fatores que contribui para a proliferação dos mosquitos nas áreas urbanas.
  • Exija que sua prefeitura execute o programa de controle do mosquito transmissor. Isso inclui recolhimento das folhas, controle da exposição de matéria orgânica (lixões, aterros sanitários, granjas e terrenos baldios) e detetização das casas.

Repelentes Naturais

Plantas com propriedades repelentes podem ser plantadas ao redor da casa, como é o caso da citronela e o neem. São medidas auxiliares no combate à doença, que não substituem produtos que comprovadamente repelem e matam o mosquito.

A citronela (Cymbopogon nardus) é bastante conhecida por seus efeitos repelentes, principalmente contra mosquitos e borrachudos. Contém grandes quantidades de óleo essencial Citronelal, utilizado em repelentes. Forma uma touceira densa, suas folhas são longas, com bordas afiladas e coloração verde clara, semelhante ao capim-limão. Possui perfume agradável e pronunciado.

Pode ser plantada em vasos e jardineiras, em canteiros adubados ou como bordadura em áreas grandes. O local de plantio da citronela deve ser favorável ao vento, para espalhar o odor que espanta o mosquito. O ideal é que se plante cada muda a um metro e meio de distância da outra em terreno com bastante sol, nos pontos mais propícios à presença de mosquito.

Produtos industrializados a base de citronela são usados em animais e também no ambiente, para lavar a área externa da casa, canil ou aplicados sobre telas protetoras, batente de portas e janelas. A Azadirachta indica, conhecida popularmente como NIM ou NEEM é uma árvore conhecida há mais de
2000 anos na Índia e outros países do Oriente, por suas propriedades medicinais de relevante importância para a saúde do homem, dos animais e das plantas.

Mais de 100 compostos bioativos já foram isolados na sua composição, sendo a azadiractina o principal componente do óleo de Neem. Este composto, classificado como um limonóide causa distúrbios fisiológicos, altera o desenvolvimento e a funcionalidade de inúmeras espécies de “pragas”, agindo sobre os processos reprodutivos, sobre a inibição do crescimento/desenvolvimento e motilidade do parasita, com efeito repelente.

O óleo de Neem é um inseticida totalmente natural, eficiente no combate a mais de 500 espécies de insetos e ácaros. É ideal para uso doméstico, já que é inofensivo ao homem e a animais.

Informações compiladas a partir do site: https://www.facebook.com/ocaonaoeovilao/app_470699656285132

 

   

Veja também:

- Vacinação
- Como examinar seu cão no dia a dia?
- Emergência Veterinária

Em casos de emergência NÃO DEPENDA DA INTERNET. Tenha sempre o telefone do seu veterinário de confiança ou consulte a lista de serviços veterinários e hospitais 24 horas.

Fale com a Gente

 
  Compartilhe
o Dogtimes
 

 

 


Voltar ao topo da página


  © COPYRIGHT M&M Arte Soluções Web  LTDA 1997-2014
Este site, suas fotos e textos, tem seus direitos autorais protegidos por lei.
É proibida sua reprodução parcial ou total sem autorização expressa e por escrito.